A (nem tão) doce espera e a descoberta da (sur)real maternidade gemelar

712
7min de leitura

Neste ano, nosso mundo da fotografia de família teve novas gêmeas e um novo leque de informações de como é a interação e com isso, novas conversas com mamães e o papais sobre a convivência, diferenças... porque a gente percebe nas fotografias e nas horas em que estamos juntos, o quanto as relações são ricas e cheias de detalhes. É algo que nos surpreende, assim como todas as relações entre irmãos, que a gente ama de paixão! Desses encontros da vida, conheci a Ju Miranda pelo instagram e não podia deixar de interagir naqueles posts de stories tão cheios de vida! Nos encontramos pessoalmente em um aniversário infantil e pra variar, já convidei para que ela contasse a sua história aqui no blog ;) E ela topou! E nós amamos! <3 

Este é um espaço para compartilhar a vida! Mamães, vocês estão convidadas! Sintam-se à vontade! 

A (nem tão) doce espera e a descoberta da (sur)real maternidade gemelar!

O ano era 2016. Recém formada no curso de Direito e ganhando razoavelmente bem para me manter sozinha morando num luxuoso apartamento de aproximadamente 50m² no condomínio ~geriátrico~ Cohabpel.


Minha vida estava começando a ter a liberdade que eu sempre quis. Minhas coisas, meu dinheiro, meu banheiro com a pia dentro do box, minha cachorra e minha gata. Depois veio o Yuri de mala e cuia para ocupar mais um lugarzinho.
 Estava tudo indo muito bem, conversas sobre não sermos pai e mãe pois gostávamos muito de dormir até tarde e não ter responsabilidade sobre coisas e pessoas…


Janeiro de 2017 chegou metendo o pé na porta e avisando que a responsabilidade havia chegado em forma de 2 tracinhos rosa num teste de farmácia. Tremi. Chorei. Liguei pro Yuri. Apavorado. Também chorou.

 Aos poucos fomos nos acostumando com a ideia de sermos pais. Olhando apartamentos maiores para organizar a chegada de um bebê… 


Primeira ultrassom e para a nossa alegria havia apenas uma bolinha. Brincando com a ginecologista feat obstetra eu comentei: “ainda bem que é uma única bolinha” e ela me retrucou: “isso não quer dizer nada.”


Passadas algumas semanas, nova ultrassom para a tal translucência nucal… Yuri não foi porque estava trabalhando. Fui para a sala acompanhada da minha mãe… O médico preparando a situação, eu olhando e conversando calmamente com a minha mãe e ele me diz apenas uma coisa: “olha, tem uma surpresinha aí… são dois”. Entrei em pânico e eu só pensava como que eu iria cuidar de dois bebês ao mesmo tempo e como eu iria contar mais essa para o pobre do pai das crianças.

 Por óbvio que todo mundo achou que eu estava mentindo, pois assim como a notícia da gravidez veio acompanhada de um meme da Beyoncé, eu também seria mãe de gêmeos igual a mãe a Sr. Carter. 

Minha gravidez não foi nada tranquila. Nada mesmo. Com 14 semanas de gestação descobrimos que estávamos enfrentando um problema chamado Síndrome de Transfusão Feto-fetal (que pode dar uma outra história bem legal hahaha) e que a gravidez só seria viável se eu fizesse uma cirurgia intrauterina em São Paulo e que não havia cobertura pelo SUS. Com 19 semanas eu fui para a tal cirurgia em São Paulo, tremendo igual uma vara verde. Acordei no meio da cirurgia, ouvi o médico dizendo pro anestesista “não mexe nela aí pois eu posso furar”. O anestesista deu mais uma dose e eu voltei ao sono dos anjos. 

Pós cirurgia, tudo dando absolutamente certo. Ultrassons semanais para monitorar o Henrique e o Vicente, meus dois gurizinhos amados. 

Com 33 semanas e 3 dias descobrimos que as coisas não iam bem. Vicente estava entrando em sofrimento fetal e teríamos que interromper a gravidez. Não haviam leitos de UTI neonatal em Pelotas. Correria sem fim para acharmos um lugar para o parto. Rio Grande, nossa cidade vizinha, foi a salvação.


Nasceram dia 26/08/2017, às 23:52 e 23:53, no hospital da Furg. Foram encaminhados para a UTI neonatal e de lá começou a minha saga real como mãe. 

Acho que eu não estava preparada para tudo que aconteceu e acredito que foi a melhor coisa que podia ter me acontecido. Não ter a real noção do perigo me fez manter a calma durante todo o período de internação dos guris. 

Inúmeras idas ao banco de leite ordenhar, horas em pé na frente de uma incubadora olhando meus filhos e descobrindo tudo sobre doenças, apitos, saturação e tudo mais que envolve uma UTI. 

Os dois tiveram enterocolite necrosante e passaram boa parte da internação em isolamento de contato, ou seja, não podiam sair da incubadora, não podiam ir para o colo e muito menos mamar no meu seio. Foi uma frustração enorme ver que os dois precisavam muito de mim e que eu não podia fazer tudo o que eu mais queria, que era poder pegar e abraçar bem forte para mostrar que eu estava ali, do lado deles. 

Embora eu e o Yuri tenhamos passado por inúmeras situações lá dentro, encontramos também muitos amigos e muito apoio naquele ambiente verde e frio. Os dias se tornavam mais leves por que levávamos a situação numa boa e sempre acreditando que tudo daria certo.

Realmente deu tudo certo. Muito certo. 

Dia 27/09/2017 o Henrique teve alta e dia 02/11/2017 o Vicente veio se juntar a nós. 

A liberdade aquela, tão sonhada, se tornou um laço cada vez mais apertado. Voltei para a casa dos meus pais acompanhada do meu namorado e meus dois filhos. 

Ter os dois juntos, comigo, era o que eu mais queria e desejava. Sonhava com o momento de amamentar os dois. 

Chegamos em casa pós alta do Vicente, eu faceira da vida que estava, sentei na cadeira de amamentação e coloquei os dois ao mesmo tempo para mamarem e lá começou o meu desespero e o deles também.

 Acostumados a tomarem leite por seringa e mamadeira, eles não queriam mais passar trabalho sugando o leite que demorava a descer e, em forma de protesto, começaram aos berros e eu também caí no choro. Me senti impotente e a pior mãe do mundo. Como assim? Meus filhos chorando por estarem fazendo o que eu mais queria? 

Ali eu vi que as coisas não seriam tão fáceis quanto eu imaginava.

Ordenhei muito manualmente e com maquininha… tentei de todas as formas manter o máximo possível da amamentação e fui vencida pelo cansaço. Vi que eu não tinha mais forças para continuar quando notei que na máquina havia apenas o sangue do meu seio machucado e não havia mais leite. Juntei o pouco que eu tinha dos meus leites e dei a última mamadeira chorando por não ter conseguido algo que eu tanto queria.

 Depois de me dar por vencida na amamentação eu queria ser o mais perfeita possível. Queria ter o controle de tudo. Queria que eles dormissem na hora que eu planejasse. Queria que eles não chorassem ao mesmo tempo e que me dessem uma folguinha.

Depois de um dia cansativo de trabalho, Yuri e minha mãe na faculdade e eu sozinha com 2 bebês de 5 meses. Tentando fazer eles dormirem eu me vi no maior desespero. Os dois berrando sem parar e não havia o que eu fizesse para acalmá-los. Eu entrei em surto, literalmente, e comecei a berrar junto com eles implorando pra que parassem de chorar porque eu não estava aguentando mais. 

Eu realmente não aguentava. Meu psicológico e físico não tinham mais condições de dar conta de tudo e eu tive que procurar ajuda com psiquiatra e psicóloga.

Não tinha como ser uma pessoa forte e inabalável o tempo todo. Aguentei firme até onde pude e desmoronei diante do estresse causado pela maternidade real e nada romantizada. Por vezes eu desejava não ser mãe e pensava que a minha única saída seria me jogar da sacada de casa.

Comecei tratamento com remédios e terapia e as coisas começaram a se ajeitar e encaixar. Já não me acordava mais querendo matar meio mundo e nem estressada pelo choro de fome dos meus filhos. Comecei a entender que tudo se tratava da natureza e do instinto e que nada adiantava eu querer ter controle de dois bebês que mal sabiam separar quem eles eram e quem era a mãe deles.

Aos poucos fomos nos acostumando com a rotina. Aos poucos eles foram se acostumando com a mãe deles… 
Viver minha vida em função da deles, embora isso pareça assustador para uma jovem (nem tão jovem) que planejava não ter filhos, foi a melhor coisa que podia ter acontecido na minha vida.

Esse 1 ano de vida passou voando e muitas vezes eu olho pra trás e tenho vontade de viver tudo outra vez. Todas as dores e as delícias da maternidade real, que assusta, que chora, que não tem hora e que ainda assim me faz muito feliz.

Diante das dificuldades que passamos (e que ainda passo), ter meus filhos com saúde é o melhor presente que eu poderia receber em vida.

Sei que não sou uma mãe perfeita, mas sou a mãe que eu posso ser e eles são os filhos que eu mereço ter!

E de tudo isso eu tirei uma lição: planejamentos são importantes, mas quando somos tomados pelo susto acabamos nos tornando ainda melhores naquilo que precisamos fazer!

Foto da capa: Helena e Isadora, nossas clientes e amigas desde os 3 meses de idade ;) no ensaio de 4 anos

Fotos do newborn do Henrique e do Vicente: Angélica Rossi

Quer ver mais? Então clica aqui pra ver o ensaio de 5 anos da Helena e da Isa

Gostou? 

A Juliana abriu o coração para nos contar um pedacinho dessa história que ainda tem muito pela frente. Vida real, como a gente gosta! Gratidão Ju! É incrível conhecer tantos detalhes mais de pertinho! <3 Bjo grande a todos! 

Se você gostou deste post deixe um comentário! Compartilhe! Se tiver outras dúvidas ou dicas sobre assuntos que quiser ler por aqui, mande pra gente!Vamos adorar te responder!

12 Dez 2018

A (nem tão) doce espera e a descoberta da (sur)real maternidade gemelar

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL

Tags

estou gravida filhos foto de familia Fotografia de família fotografia documental gemeos gravidez Kelly Schmidt mae de gemeos mae recem formada Márcio Prestes maternidade maternidade gemelar meninas meninos pai de gemeos pais e filhos pelotas Ser mãe ser pai Transfusão Feto-fetal ultrassom da gravidez vou ter gemeos

Quem viu também curtiu

31 de Out de 2017

O uso da Laserterapia para amamentar sem dor

29 de Set de 2021

Atividade física na gestação

16 de Mai de 2017

Eu vou amamentar?

Vamos conversar?
Logo do Whatsapp